Tag Archive for Flávio Emilio

É correto proibir o uso do smartphone no trabalho?

Flávio Enilio

Trabalho em uma empresa onde era permitido o uso do telefone celular desde a época em que fui contratado. Agora, não mais. O pior é que essa regra só existe para alguns setores. Como devo proceder? Sabemos que todos têm vida fora da empresa.

Não há dúvidas que a telefonia móvel se incorporou às nossas vidas de maneira irreversível e definitiva. Esquecer o smartphone em casa pode significar um dia terrivelmente desconfortável para muitos, pela sensação incômoda de estar “incomunicável”. Entretanto, há determinadas funções que vão requerer do profissional um nível elevado de atenção concentrada – incompatível com o hábito (ou vício) de verificar mensagens ou receber chamadas pessoais durante a jornada de trabalho.

Imagine um professor interrompendo uma complexa equação para ver o que há em seu Whatsapp, um controlador de voo rindo da última piada postada no Facebook num dia de tráfego aéreo intenso, um farmacêutico dando uma pausa na manipulação de um medicamento para ver como foi a rodada do campeonato de futebol ou um instrumentador cirúrgico pedindo uma pausa naquele transplante para agendar a happy hour da próxima sexta… Leia Mais

Você costuma subir degraus de 2 em 2?

Flávio Emilio

Situações de stress nos levam a tomar atitudes instintivas. Subir uma escada de dois em dois degraus é uma delas. Os riscos de tomar um tropeção e se contundir no  trajeto são iminentes. Mas avançamos em cada pequeno salto, como se participássemos de uma corrida de 50 obstáculos contra a gravidade. Ao chegar ao topo, ofegantes, nos perguntamos se valeu a pena tanto esforço…

Em alguns casos esporádicos e isolados, sim… Em outros, chegaremos à conclusão que o resultado não justificou tanta energia despendida…

Comparo a subida dos degraus de dois em dois ao hábito perigoso de queimar etapas em um projeto ou simplesmente ignorar certos procedimentos em uma atividade produtiva. Há muitos profissionais que se vangloriam em “queimar etapas”, como se isso fosse digno de mérito e os tornassem melhores e mais espertos do que todos os outros… Leia Mais

Precisa-se de amadores para contratação imediata!

Flávio Enilio

Por Flávio Emílio Cavalcanti

Crescemos ouvindo que no “mercado competitivo” não há espaço para amadores. Muitos consideram que além de rimar com perdedor, a palavra amador poderia ser sinônima de fracassado. Assim, “quanto maior a dose de profissionalismo, mais chance de alavancar uma carreira de sucesso”, bradam profetas da auto ajuda.

Mas o tempo passa… E algumas verdades absolutas perdem o sentido e precisam ser repensadas. A exemplo de certos alimentos como chocolate, café e ovo – que foram alçados da condição de vilões para a saúde à de salvadores da humanidade, afirmo que todos nós precisamos acrescentar uma pitada de amadorismo em tudo aquilo que escolhemos fazer profissionalmente.

Amador é aquele que exerce qualquer atividade sem expectativa de receber ganho financeiro gerado diretamente por ela. Sua dedicação é movida por amor… E quando alguém é motivado por esse sentimento, não há barreiras intransponíveis, fome, sede, cansaço ou mesmo limitações de horários e dias da semana. Leia Mais

O arranhador de paradigmas!

Flávio Enilio

Há quase vinte anos ouço frequentemente a palavra paradigma. O que antes era propriedade exclusiva dos catedráticos, acadêmicos e eruditos ao longo dos anos virou um termo “modernoso”.

Hoje, todo mundo fala nele… É paradigma pra cá e paradigma pra lá…

Quebrar paradigmas, então, virou um clichê dos mais chatos e grudentos. Aposto que muitos que o recitam nem sabem direito o que estão dizendo. Acham que quebrar paradigma é o mesmo que mudar de opinião. Nada disso. O negócio é bem mais profundo do que aparenta ser.

Paradeigma é uma palavra grega que significa modelo, padrão. Trata-se de uma visão de mundo, uma forma de pensar e agir. Quem abandona um antigo paradigma para se fundamentar em outro estará promovendo uma mudança revolucionária em si mesmo. Leia Mais

Dicas para aprender a discordar sem brigar

Flávio Emilio

Não nascemos preparados para debater.

Por isso, desenvolver a habilidade de manejar a contradição, persuadindo em favor de um ponto de vista, torna-se um valioso diferencial para a carreira. Infelizmente, muita gente acaba se complicando na hora de discordar de alguém – o chefe, um colega, um cliente ou mesmo alguém de casa. Via de regra, as pessoas tendem a se refugiar em duas posições extremas e desaconselháveis: a passividade e a agressividade.

Os passivos fazem tudo para fugir do embate, evitando possíveis desgastes emocionais, exposição ou mesmo o risco de desagradar o outro. Baixa autoconfiança e problemas de autoestima também contribuem para desestimular a propensão a expor posições discordantes. Muitos até ficam desapontados consigo mesmos, pois julgam que foram covardes por não terem se posicionado como deveriam diante de decisões absurdas.

Já os agressivos veem qualquer situação de debate como uma batalha que precisará ser vencida a qualquer custo. Quando não há argumentos consistentes, o agressivo procura cortar o diálogo e parte para o uso da força através da intimidação, do grito como formas de prevalecer e sair vitorioso ao impor aquilo que considera certo. Para eles, não importa muito o resultado do debate. O que vale é mostrar supremacia diante do outro. Leia Mais

8 dicas para ser colaborativo (sem parecer bajulador) diante do novo chefe

Flávio Emilio

Imagine que chegará ao seu setor um novo chefe daqui a três dias…

Uma enorme interrogação se formará nas mentes de todos os colegas de equipe.

“Será ele ou ela?”
“Centralizador ou participativo?”
“Técnico ou relacional?”

Essas e outras expectativas vão povoar conversas, pensamentos, sonhos e pesadelos daqueles que aguardam a concretização do processo de sucessão entre o antigo gestor e o que está para chegar.

Num ponto, todos parecem concordar: ser colaborativo com aquele que chega é a melhor forma de causar uma boa impressão e afastar qualquer tipo de ameaça à manutenção do emprego. Leia Mais