Especialista explica porque é importante saber qual é o seu perfil de investidor financeiro

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
A avaliação de diversos fatores ajuda a escolher o melhor investimento para cada pessoa

Há cerca de duas décadas, o mercado brasileiro de capitais começou a se desenvolver rapidamente. Com isso, surgiram vários tipos de investimentos, permitindo aos investidores aplicarem seu dinheiro em outras “fontes” além da tradicional caderneta de poupança. Para que cada pessoa invista de maneira correta, é preciso saber qual é o seu

perfil de investidor, que é analisado por meio de metodologias utilizadas pelas instituições financeiras. Isso é praticado em diversos países, com apoio da legislação, para a segurança dos investidores. No Brasil, a prática é regulada pela Instrução da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) 539.

Os perfis básicos de investidores

Cada perfil de investidor indica qual o tamanho do risco que a pessoa consegue suportar e, a partir daí, revela quais são os investimentos ideais para ela. É muito comum que os perfis sejam classificados em três categorias básicas de risco: conservador, moderado e arrojado. Em geral, o conservador é o cliente intolerante a qualquer variação negativa em seus investimentos e na outra ponta o arrojado seria aquele que suportaria uma maior volatilidade em prol de um retorno esperado maior.

O perigo das generalizações

Segundo Thiago Silva, fundador da Maway Global Investments “essa generalização dos perfis faz com que muita gente invista de forma inadequada e menos eficiente. Os conservadores buscam instituições e produtos tradicionais, mas muitas vezes não levam em considerações outros aspectos sobre si e seu momento de vida. Enquanto aos considerados arrojados são ofertados investimentos que muitas vezes os expõem a riscos desnecessários e nada alinhados com suas características específicas”. Isso pode ser verificado no seguinte fato: segundo o IBGE, em 2015, a rentabilidade da poupança foi de 8,5% enquanto a inflação do mesmo período foi de 10,67%. Isso gerou uma perda do poder aquisitivo e um retorno real negativo de -2,27% naquele ano. Entretanto, dois anos depois, uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) revelou que 61% dos investidores utilizavam a poupança como veículo de investimento.

O profissional afirma que o termo risco é usado muitas vezes de forma generalizada, como se certos tipos de investimento pudessem trazer apenas um retorno negativo. “Por exemplo, considera-se que investir em imóveis é algo seguro, enquanto em ações seja arriscado. Isso não é necessariamente verdade. Um imóvel pode apresentar maior risco de liquidez do que uma ação de uma grande empresa negociada na bolsa de valores”, declara Silva.

Observações que fazem diferença

O perfil de risco do investidor não deve ser tratado como algo estático o tempo todo e que se aplique a todos os cenários. Vários aspectos particulares devem ser levados em consideração ao se definir qual investimento é mais adequado para cada pessoa, como o estilo de vida, o patrimônio e a situação profissional e familiar. Outros fatores que podem influenciar na escolha de onde investir também precisam ser avaliados, como os cenários macro e microeconômicos.

Mais importante do que enquadrar um investidor dentro de uma categoria específica de perfil de risco, é compreender suas singularidades a fim de criar um portfólio de investimentos que lhe seja adequado em termos de prazo de utilização dos recursos investidos, custos de manutenção e aspectos tributários e sucessórios. “Tudo isso deve estar alinhado às expectativas e aos objetivos financeiros do investidor, para que este tire o máximo proveito que o seu perfil lhe permite”, finaliza Silva.

Sobre a Maway Global Investments

http://maway.us/

Thiago Silva – tsilva@maway.us – +55 21 991806867

Fonte:Clozel Comunicação

 

Deixe uma resposta