Inovação, como usar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
José Alberto de Castro

José Alberto de Castro

Por Alberto de Castro – sócio da Concema, empresa que atua nas áreas de consultoria, treinamento e auditoria

Vivemos um tempo atípico em que crise é a palavra de ordem. No Brasil, em particular, crise é o que não falta, parece até que há uma para cada habitante. Associado a esse “estado de coisa” veem as análises especializadas.

No quesito economia e mercado, na maioria das vezes, as análises apontam a inovação como solução para os problemas das empresas: “as organizações que sobreviverão serão aquelas capazes de inovar seu negócio”.

A essa proposta de solução há uma questão a ser respondida: as organizações se capacitaram e/ou estão preparadas para um processo de mudanças, ou melhor, de inovação?

O problema, infelizmente, é que apenas uma minoria das empresas pode responder afirmativamente a esta pergunta.

E por que isso acontece?

Vejamos alguns pontos que respondem esta outra pergunta.

  • Primeiro ─ Inovação não é uma tarefa, é sim um processo longo, árduo e de muito aprendizado, que requer da empresa ações de mudança
  • Segundo ─ Mudança, no geral, introduz crise de insegurança, não porque as pessoas tenham medo da mudança em si, mas sim, porque elas temem os resultados da mesma.
  • Terceiro ─ O processo de inovação se desenvolve a partir da sequência: criatividade, ideia, foco e perseverança.
  • Quarto ─ Enfrentar este processo, inevitavelmente se incorre em erros e erros…
  • Quinto ─ Inovação acontece quando uma boa ideia criativa se transforma em um produto ou serviço.
  • Sexto ─ Citando Thomas Edison: “genialidade é 1% inspiração e 99% transpiração”; frase que podemos aplicar, sem qualquer prejuízo de valor, para o processo de inovação.
O processo de inovação se desenvolve a partir da sequência: criatividade, ideia, foco e perseverança.

O processo de inovação se desenvolve a partir da sequência: criatividade, ideia, foco e perseverança.

Estas condicionantes não devem ser motivo para que uma empresa abdique de desenvolver um processo de inovação, seja ele de procedimento, produto ou serviço; mas sim um incentivo para que a mesma se estruture via um programa de aprendizado, organização de procedimentos e busca, tratamento e análise de dados.

De outra forma, a afirmação de que só sobreviverão no mercado, empresas capazes de se inovarem, é uma realidade, e digo mais, inovarem-se de forma permanente, para se tornarem empresas pioneiras e não apenas empresas seguidoras.

Uma vez que, inovação é uma exigência do mercado, você não poderá perder o “bonde do mercado” e arriscar a sobrevivência da sua empresa. Assim, convido-o a avaliar se sua empresa está com o “dever de casa” pronto ou em andamento, refletindo sobre as questões a seguir relacionadas, e vejamos se você é capaz de respondê-las de forma afirmativamente pró inovação.

✓ Sua empresa tem foco naquilo que é sua visão e contrata seus recursos humanos para atender essa visão?

✓ A liderança e as gerências da sua empresa atuam como incentivadoras ou cobradoras de tarefas, ou ainda, entendem o erro como elemento de aprendizado ou de punição?

✓ Os colaboradores de sua empresa estão capacitados para: exercitar suas criatividades, não temer o erro, propor e defender suas ideias, e finalmente trabalhar na transformação da ideia em produto independentemente de quem seja o autor da mesma?

Boa sorte e sucesso nas mudanças para transpor este tempo de crises.

Comments are closed.